Deixar andar (ou a decisão da indecisão)

Cruz

A vida foi acontecendo, decisões foram tomadas,

mas, na minha indecisão, todas foram resvaladas.

Mas que fazer?

Tudo ou nada perder,

no limbo que a vida se tornou,

o fogo estava presente mas o vento amainou.

E assim se foi passando, do viver ao existir,

embora por dentro queimando mas já sem o sentir.

Deixa a vida andar e vais reparar

que, sem tomares grandes atitudes, sem vicissitudes,

tudo à tua volta há-de mudar.

E assim ao teu lado

mas sem me dar a conhecer..

Era quem foi por ti amado

mas agora não o posso ser.

Até que um dia tudo termina

– aí sabemos que batemos no fundo…

Mas onde há semente, a vida germina,

e um novo ciclo começa no mundo.