Mercado único (visão de um comunocapitalista).

Portugal está no “mercado único”. Nesse mercado há profissionais a ganhar 26.000€ e outros mais de 120.000€ para desempenhar as mesmas funções.

(No exemplo acima usámos o ordenado de professores que desempenham as mesmas funções em Portugal e no Luxemburgo, respectivamente.)

Esses profissionais, porque vivem no mesmo mercado, concorrem na compra de produtos e serviços. Claro que o “custo de vida” nos países em que se recebe mais, é também mais caro. Ou pelo menos é a essa ideia que nos queremos agarrar, mas a verdade é que a ideia de “mercado único europeu” e “custos de vida diferentes em zonas diferentes” não são compatíveis.

A cerveja numa esplanada é naturalmente mais cara do que no supermercado e estamos todos pacificados com isso, até porque podemos ir comprá-la ao local mais barato. O problema surge quando o “local mais barato” deixa de existir, ou quando passa a ser tão caro como os mais caros.

Porque é que hei-de eu vender o meu T3 por 150.000€ quando há gente que o compra por 500.000€? Só se for parvo e isso os portugueses não são. Ou serão?

As condições impostas a um português que queira comprar casa são exactamente as mesmas que a um Alemão ou Luxemburguês e porque é que um cidadão, que pode investir num destinos turísticos com uma das maiores taxas de crescimento do mundo, não haveria de o fazer?

Claro que o faz e bem. Mas porque os preços das habitações mais do que duplicaram no últimos anos nos locais onde vive mais de 50% da população portuguesa, as populações que lá viviam e vivem, deixaram de ter capacidade para lá habitar.

Poder-se-á concluir que há duas soluções:

1 – Limitar a compra de casas por cidadãos estrangeiros – o que não resolveria o problema porque poder-se-iam usar “testas de ferro”. Além disso isso seria acabar com o “mercado único”.

2 – Fazer equivaler os rendimentos dos trabalhadores do “mercado único”, isto é subir os ordenados dos portugueses para o mesmo nível dos seus co-consumidores.

Poder-se-á dizer que se caminha para esta segunda hipótese, mas o rendimento per capita de Portugal é muito baixo e portanto terá que se aumentar a competitividade para podermos equiparar-nos aos países “mais desenvolvidos” do que nós. Ou seja, a continuar o caminho de sempre chegaríamos lá, mas nunca.

E porque não subir os ordenados de 1000€ para 5000€ amanhã?

Porque isso iria criar uma inflação instantânea acima de três dígitos! Sim, verdade, seria o mais provável. E qual é o problema?

Deixaríamos de exportar, teríamos sanções de todos os outros países e mais uma miriade de problemas que não caberiam em mil páginas de jornal!

Tudo verdade, mas apenas por alguns meses, depois descobriríamos que o canalizador irlandês é tão competente como o português, e que o contabilista suíço não faz nada mais do que o contabilista português. Poderíamos até descobrir que a nossa balança, que pesa sempre mais do lado das importações, até nem sofreria assim tanto com as possíveis reduções de exportações.

Finalmente poderíamos até descobrir que o mecanismo que nos falta desde que temos moeda única – que seria o de valorização e desvalorização da moeda – poderia ser usado a nosso favor, porque se não podemos fazer variar a moeda, isso significaria que a inflação “provocada” por este reequilibrio económico seria diluída por toda a união europeia, ao invés de apenas Portugal – porque o mercado é único.
“Mercado único” – percebe o que isto quer dizer?

Liberdades Oprimidas

Na liberdade de quando nasceste
Foste logo oprimido,
E desde logo soubeste
Que este mundo é fingido.

Dizem-te que tens toda a liberdade
E podes fazer tudo que te apeteça!
Mas isso só é verdade
Desde que com com eles isso se pareça.

“Podes dizer o que quiseres
Se a tua filosofia for como a nossa”
És livre para andar no rebanho
Se a tua voz não fizer muita mossa.

Por isso andas calado
As tuas expressões são contidas.
Cuidado, não ofendas os demais…
Tens as tuas liberdades oprimidas.

Oposição

Sabem o que é que era giro?

Deixar de chamar oposição aos partidos que não estão no exercício de funções governativas.

A função dos partidos, ao contrário do que se pensa, não é estar no poder ou no oposto a este. A verdadeira e nobre função é a causa pública.
Para se defender o que se acha certo para o bem comum, é preciso muitas vezes concordar com outras ideias que não as nossas. Parece uma lapaliçada, mas basta olhar as propostas e votações do nosso parlamento para se ver que a origem da ideia é muitas vezes mais importante do que a sua validade própria.

Catalóis (ou Espanhães)

cristobarcelonaperspectivalt1555274785.jpeg
Cristo na Sagrada Família

Alguma Catalunha não quer ser Espanha, quer ser só Catalunha.

Percebemos os que acham que não pode simplesmente deixar-se que as várias regiões com tendências independentistas se separem do resto do país. Isto abriria possibilidade à completa desagregação de Espanha em pelo menos 3 ou 4 estados diferentes.

Para descobrirmos uma solução teríamos que ir à origem da nação Espanha e até ao conceito de país. Não iremos. Ficamo-nos pelo início do ano quando este “referendo” começou a materializar-se, primeiro na mente de alguns e depois nos actos de   muitos independentistas.

Se estivermos nos sapatos de Espanha é impossível que permitamos que uma das suas regiões simplesmente deixe de o ser. Nenhum país no mundo prevê a possibilidade legal de perder parte do seu território.

Mas se nos colocarmos no lugar da Catalunha e considerarmos que  Espanha é um opressor que governa sem direito, então faz o mesmo sentido lutar pelo seu “país Catalão”.

Para alguns defensores das independências espanholas o seu sentimento é o mesmo que teriam os portugueses se de repente Portugal fosse anexado por Madrid.

Sabendo que as disputas territoriais acabam tendencialmente em guerra, há que arranjar uma solução que atenue a escalada de violência que se avizinharia se se mantivessem as actuais posições.

Mas apenas para constatação de factos não seria necessário este texto. Importa arranjar soluções.

A solução, como quase sempre, está no diálogo. O diálogo inicial, por parte do governo central espanhol, deveria ter sido no sentido de impedir o referendo, mas sempre diálogo, nunca ameaça, nem opressão. Do mesmo modo a região da Catalunha deveria ter dialogado no sentido de ter um referendo legal e validado pelo governo central.

Estando o referendo feito e tendo pífia validade legal, mas tremenda importância política, está na hora de lidar com o problema. Impedir pela força a realização de referendos, ou outras actividades independentistas além de ineficaz é extremamente perigoso e potencialmente antidemocrático.

Um político hábil disse que “os problemas sem solução, como este da Catalunha, são para se ir gerindo”. Não sabemos se é assim, mas se a solução é um dos dois “países” perder o seu território, então de facto não há solução, a não ser pela opressão, ou até supressão de um deles.

Nenhuma destas “soluções” é aceitável. Assim sendo ter-se-á que descobrir outra. Isto é o que todos os que se engajam nestas lutas deveriam almejar. O objectivo tem que ser a solução e não a vitória.

A solução que hoje aqui propomos é a única que vemos viável mas, não é por acharmos que esta solução é a melhor, que deixamos de ouvir quaisquer outras, ou sequer que tentamos destruir as outras. Tentamos melhorá-la, roubando até ideias das outras soluções, defendemo-la, mas não temos que eliminar as outras, mesmo que para isso tenhamos que combater milénios de instintos que dizem que se eliminarmos a concorrência teremos sucesso mais facilmente. É verdade, mas queremos a melhor solução e não simplesmente eliminar todas as outras até que a nossa seja a única e, por isso, a escolhida.

A solução seria dar aos independentistas exactamente aquilo que quereriam: Uma espécie de estado probatório, com um número de anos predefinido, ao fim dos quais voltariam ao estatuto anterior após referendo e concordância de ambas as partes (Espanha e Catalunha).

A verdade, ou talvez a esperança que acalentamos, é que se descobriria que não é assim tão diferente ser Espanhol e Catalão ou ser só o segundo. As relações comerciais, sociais e até económicas seriam muito semelhantes com Catalunha independente ou não.

Assim sendo o que propomos é que se deixe que o Catalães decidam, mas num referendo democrático e ratificável.

Admitindo que a decisão seria a independência, então depois seriam necessários vários anos para que a transição se fizesse com a necessária serenidade.

Como sempre, ajuda pensar nos cenários mais extremos:

– A Catalunha separa-se de Espanha e corta todas as relações (sim, também acho que isso é muito pouco provável). Neste caso Espanha perderia a Catalunha, mas a Catalunha perderia a Espanha e todos sabemos que não é a solidão que faz a força.

– Fica tudo como está. Isso seria o tal “gerir do problema”. De facto pode também ser hipótese, mas nunca usando a força física. A pressão de ambos os lados pode e deve ser feita, mas sempre de forma leal e através da discussão de argumentos. Espanha e Catalunha estarão para sempre colados geográfica e historicamente, portanto não faz sentido virarem-se costas sob pena de estreitarem radicalmente a visão e visibilidade que neste momento ainda possuem.

Basta olhar para os casos históricos de separação de países para ver que invariavelmente corre mal; veja-se a Alemanha ou a Coreia.

Veremos o que o futuro trará, mas saibamos que juntos somos melhores. Em último caso, somos todos iguais, espanhóis, chineses ou turcos, cavaleiros de cristo ou jihadistas, comunistas ou fascistas, tudo é feito da mesma amálgama de carne, estupidez e, acima de tudo, humanidade, que, entre outras coisas, é também sinónimo de união.