Lobbies

Primeiro-Ministro
António Costa

O primeiro-ministro de Portugal faz parte da comissão de honra do candidato à presidência (e atual presidente) de um clube de futebol.
Não importa se esse candidato é arguido em vários processos – na minha opinião, há culpa nos culpados, não nos acusados.
Importa sim que um dos maiores cargos da nação, não esteja ao serviço de quaisquer interesses privados.

Na nossa sociedade é visto como natural o facto de alguém “ser de um clube” e portanto os nossos governantes podem ser vistos com frequência nos estádios dos seus clubes, com toda a naturalidade.
Apesar de, ser discutível a sanidade de um indivíduo “ser de um clube”, parece-me óbvio que o estado não pode “ser de um clube”, ou de uma modalidade, de um distrito ou sequer de uma religião. E no entanto quantas vezes se viram membros do governo num jogo do Estrela de Portalegre, ou numa “missa” da IURD, ou num qualquer jogo de Volleyball, ou a trabalhar em Bragança?

Todos temos falhas, mas quando se ostentam as falhas, como se fossem motivo de orgulho, há alguma coisa de muito errado.

Integridade (ou burrice)

Sou eu que sou burro?

Há uma indignação generalizada pelo facto de Ricardo Robles poder lucrar uns milhões com a venda de um imóvel.
Por alguma razão que desconheço, acha-se que ser de esquerda e ser capitalista não é conciliável. – Isto até pode ser uma discussão interessante, mas neste caso o essencial não é se o espécimen em questão é caviar ou podre.
Ricardo_RoblesRicardo Robles é vereador do urbanismo para a cidade na qual comprou um imóvel em 2014 por menos de 10% (347 mil euros) do valor que lhe é atribuído em 2017 (5,7 milhões de euros). Claro que é preciso contabilizar o investimento de 1 milhão de euros que segundo o vereador lá foi feito, mas uma valorização superior a 15 vezes do valor inicial é… invulgar! Isto não é ilegal, é só uma excelente capacidade de negociação!

É verdade que o dito vereador tem a vergonha de uma Cicciolina – lembro que o imóvel em questão foi comprado à segurança social -, mas mais chocante do que isso é o facto de tudo isto estar previsto na lei! Nada disto é ilegal!

Mas se um vereador pode fazer negócios destes no seu pelouro, o que é que impede o ministro da economia de jogar na bolsa? E um desportista de apostar contra si próprio? E um administrador público de vender património do estado por um valor várias vezes inferior ao real?
Pelos vistos nada!!

Aquele que não percebe como é que isto é possível e que se recusa a fazer coisas deste tipo quando tem oportunidade, deveria ser considerado integro e decente, mas afinal é só estúpido e ingénuo.