“De mim estou eu farto”

Andre2

Uma das principais características do ser humano (leia-se DE ser pessoa) é a empatia. Conseguirmo-nos colocar na pele de outro e perceber o que poderá sentir, faz com que possamos avaliar qualquer situação com proximidade.

Ouvir outros pontos de vista, opiniões ou pensamentos, faz com que os nossos estejam também em constante mutação. Quem não se abre ao mundo corre o risco de não ver o mundo reconhecê-lo. Ou de nem sequer se reconhecer.

Quando ouvimos, dialogamos, partilhamos… todos ganhamos. Não quero com isto dizer que temos de concordar com toda a verborreia que por aí anda. Mas perceber o porquê de tal acontecer é meio caminho para elucidar mentes mais fechadas.. se tal for possível.

Dizer “de mim estou eu farto” é validar outras opiniões.. mesmo que essas opiniões não tenham validade!

Contudo.. outra das principais características do ser humano (leia-se DE ser pessoazinha) é o narcisismo.

Saber realizar (ou manipulação)

Há uma irritação que me atormenta há muito tempo: A filmagem de performances de dança e movimento em programas de televisão.

Por alguma razão os realizadores de programas televisivos fazem escolhas de planos aleatórios quando estão a filmar performances com muitas dinâmicas num palco.

Poder-se-ia argumentar com a “desculpa” do directo mas isso, além de não justificar os casos em que os programas são gravados, também seria debelar a razão de ser dos ensaios.

Quero acreditar que a manipulação de planos e imagens, quando errada, é apenas devida a incompetência, mas a verdade é que as luzes, planos e até ordem pela qual são apresentados os candidatos a concursos de talentos podem ser pelo menos tão influentes como a performance em si.

Isto:

não é igual a isto:

e o entanto são fotografias do mesmo momento