Sobre GSM

GuilhermeSofiaMonk

Falta de dinheiro? Entregue-se à luta!

O dinheiro não lhe chega até ao fim do mês? Pare de desejar ter mais sorte. Deixe de culpar o acaso. Mesmo que o destino seja malvado, não serve de nada perder tempo com lamentações.

A solução é entregar-se à luta e até, porque não, gozar a luta!

Em vez de se ver como vítima de injustiça, ou de má sorte, veja-se como alguém em vias de melhoria.

A primeira coisa a fazer é subdividir tudo até ao exequível:

Se quer ter 1000€ a mais no fim ano, o melhor dividir isso em meses e descobrir que só precisa de poupar 84€ por mês. Mas se as contas andam tão apertadas que também isto parece impossível, se calhar 21€ por semana já parece mais possível, ou porque não pôr de lado 3€ por dia! Se dividir o problema em pequenos probleminhas, até conseguirá fazer mais do que o que se propôs inicialmente.

No meu caso (tenho um rendimento acima da média), decidi poupar 15€ por dia (de 2ª a 6ª) e qual não foi o meu espanto, ao fim de um ano, o cobrezito onde guardei religiosamente o 15€ diários tinha quase 4000€!! No fim deste ano terei o carro completamente pago e, para isso apenas tive que deixar de jantar e lanchar fora com tanta frequência!

O plano para o próximo ano é fazer todas as refeições em casa… Serei milionária!! Ou pelo menos pagarei a casa antes de morrer e isso, numa altura em que as dívidas são para se gerir, é notável!

Saber receber

LisboaComo muitos lisboetas cosmopolitas, gosto de ver turistas a apaixonar-se pelo nosso país, mas como muitos outros também fico frequentemente irritado com a presença massiva dos mesmos.

Numa conversa tida há poucos dias no Chiado, com um conhecido cronista e amigo, deparei-me com o dilema que tinha entre as suas posições de esquerda e a opinião real que tinha acerca do que chamou “Invasão de Brasileiros”.

Sendo um “homem de esquerda”, como gosta de retratar-se, a verdade é que tinha sentimentos que ele próprio descrevia como xenófobos para com o brasileiros. Isto acontece porque, segundo ele, em pouco mais de dois meses, houve uma enchente de quadros brasileiros a entrar para empresas portuguesas e, além disto, a quantidade de “portugueses com sotaque” que polulam nos cafés da baixa pombalina é cada mais impressionante.

É importante ter noção de que não existem xenófobos, nem racistas, nem machistas, nem outras coisas que tais. Todos temos tudo isto em nós e o seu oposto também.

Nada disto é especialmente mau, definitivo, ou sequer definidor.

Os actos efectivamente realizados e não o que pensamos fazer, são o que nos define.

Tal como não é traição para um homem casado pensar nas mamas da Pamela Anderson, também não é xenofobia pensar que os estrangeiros estão a ocupar o país.

Saibamos receber, como sempre soubemos, apesar de irritações que deverão ser necessariamente inconsequentes.

Suicidal notes nr.4

ForcaThe only way to make me believe in you is by making me happy
it’s impossible to be positive if unhappy
there’s even a formula for this:
Happiness = 1/Misery
I seem to be but a cog in an endlessly intricate system that runs with no reason nor goal.
It’s hard to live when there is no purpose.
People tend to overrate love. Love is’t even in the top 3 of the most important things in life.
If you take a look at how the universe evolves, it will be easy to see that evolution itself is the engine for everything that happens. It’s not important to become better, it’s not even relevant if the deeds are good or evil. The only thing that “Nature”, or “God”, or “Evolution”, or whatever you wish to call it, cares about is change. It is certain that everything will change, even the laws and rules that seem to be universal and permanent.
Nature needs Survival first and foremost. Then it needs growth, and this means that it has to grow to where it is possible, but also that it needs destruction in order to create space for growth.
In resume it is as if I where a moth trying to understand poetry, or advanced chemistry. However complex theories I might try to find, I will still lack the intelligence or enlightenment enough to grasp the mysteries surrounding me.
The only hope I have is that I might leave space for something better, or I might even be heading for a better adventure.
People tend to think about suicide as a dark and sad happening, but life can be all that and much worse.
One last word to the love of my life: That’s exactly what you where – The love of my life! Or even better, although it may sound “cliche”, you where the light of my life, because when i look back at it, everything seems dark, except for the moments you’re in.
Thank you, wish me luck….

Mugabe

Por mais importantes e meritórios que sejam as pessoas e os actos por elas praticados no passado, isso não lhes deve dar um livre-conduto para tudo o que queiram fazer no futuro. As bênçãos, tal como os pecados não são eternos.
mugabe-robert9Mugabe foi uma benção que libertou uma nação e o seu povo, um revolucionário e o líder que teve resultados económicos, sociais e até políticos que nem sequer foram almejados por quaisquer outros líderes de nações. O seu povo viu-o, e com justiça, como um herói. Foi tudo isso.
Agora é o oposto. Quem tiver tido oportunidade de conviver com o Mugabe destes últimos anos, tê-lo-á achado amorfo e pouco dado a emoções visíveis. É verdade, o que antes foi chama e revolução, agora é ego, insanidade e incompetência.
Mugabe deixou-se apanhar pelos defeitos de todos os homens, mas neste caso trágico, Mugabe teve o poder e até o mérito de um líder inigualável.
Mugabe foi tudo isso e agora é menos do que execrável, mesmo para os que sabem que a corrupção, atrocidades e incontáveis erros do seu país não lhe serão devidos na totalidade, mesmo para os que, como eu, têm a certeza que Mugabe é um homem bom. Mugabe é também dos piores homens que conheci.
Como quase todos os ditadores, Mugabe não conseguiu planear a sua partida. Se é triste e trágico ver o que pode acontecer a um homem bom e com boas intenções, é muito mais quando esse homem tem poderes e reverência de deus para o seu povo.
Conheço Mugabe suficientemente bem para lhe ter genuíno afecto, mas isto seria se apenas levasse em conta minha convivência com ele. Mugabe, como tantos ditadores, é um homem afável, mas também é um decisor pragmático e com princípios dúbios e pouco firmes. Se a culpa a atribuir-lhe pelas atrocidades no seu país, pode ser mitigada, a responsabilidade é inegavelmente sua.
Mugabe nunca teve sucessores e, talvez por isso, foi adiando, sempre por mais algum tempo, a sua saída da vida política, para finalmente se poder dedicar a ser o homem pacato que sempre se julgou. O que não lhe ocorreu é que os que antes dele tinham o poder, pensavam exactamente da mesma maneira.

Boa sorte Mugabe!
Longa vida para ti sedutor e execrável líder!